terça-feira, 29 de março de 2011

Devaneio silencioso


               
                      Aqui estou novamente em meus aposentos particulares, no árduo trabalho de controlar minhas emoções. Do meu peito sai um grito silencioso, lágrimas rolam pela minha face. Mais uma vez na confusão dos meus pensamentos misturada à solidão que me atormenta. Dolorosa sensação estar perto de você e não poder te ter, tão próxima e ao mesmo tempo tão distante. Apesar do sorriso bobo nos meus lábios nestes momentos, o meu coração chora a angústia de não poder expressar este sentimento que nasceu sem que eu percebesse. A meninice dos teus olhos, onde são refletidas a tua serenidade e simplicidade, foi conquistando sem querer o meu coração desiludido. 
         Triste sorte a minha, terei que calar isso pelo resto dos meus dias. E, ao escrever esta útlima frase, as lágrimas teimam em escorrer pelo meu rosto pálido molhando o deserto do meu coração. Isto pelo menos não posso evitar, não posso fingir. Evitar... este verbo que, tão impiedosamente, tem adentrado minha vida, invade minha alma, calando meus desejos, transformando-se assim nessa melancolia. Esconder minha verdade se tornou torturante para uma alma tão transparente como a minha. Quando toco suas mãos ou quando te abraço, fica quase impossível esconder minha fragilidade, o coração pulsa forte e minhas mãos ficam meio que trêmulas, quase me denunciando.
         E assim vou acumulando gritos, sentimentos, vontades, sem poder transbordá-los, embora não sem esforço, para EVITAR  certos constrangimentos e confusões. Não desejo ser uma pedra no caminho de ninguém. Impedida de tentar conquistar você, me encontro assim presa entre quatro paredes frias de um quarto escuro e vazio, tentando fugir daqui. "Fugir das ruínas desse devaneio silencioso." Fugir das mentiras que a minha razão me obriga a dizer. Me sinto meio anjo caído com suas asas quebradas, meio jasmim com a alma despetatalada.
         Eu preciso de alguma distração, preciso do verde com seus pontos coloridos... urgente! Sair, quero voltar pro meu jardim, sentir a leve brisa tocar meu rosto lavado da dor que mora em mim. E volto a pedir: "Deus, não permita que eu desvie do caminho, posto que será feita a Tua vontade. Me ajude a aceitar este sacrifício."


(Tainan Silva)

3 comentários:

  1. triste porém belo!não a dor,mas a emoção que tremula a porta do inesperado e concede-nos mais um voou mesmo com asas quebradas,para percebermos que Deus é Deus!e sem ele não somos nada!Ele não é indiferente a dor que podemos sentir,mas mesmo sem perceber nos diz que é o único que pode nos fazer feliz.

    ResponderExcluir
  2. "Quando o amor o chamar
    Segue
    Embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados
    E quando ele vos envolver com suas asas
    Cedei-lhe
    Embora a espada oculta na sua plumagem possa feri-vos
    E quando ele vos falar
    Acreditai nele
    Embora a sua voz possa despedaçar vossos sonhos como o vento devasta o jardim
    Pois da mesma forma que o amor vos coroa, assim ele vos crucifica
    E da mesma forma que contribui para o vosso crescimento
    Trabalha para vossa poda
    E da mesma forma que alcança vossa altura e acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol
    Assim também desce até vossas raízes e a sacode no seu apego à terra
    Como feixes de trigo ele vos aperta junto ao seu coração
    Ele vos debulha para expor a vossa nudez
    Ele vos peneira para libertar-vos das palhas
    Ele vos mói até extrema brancura
    Ele vos amassa até que vos torneis maleáveis
    Então ele vos leva ao fogo sagrado e vos transforma no pão místico do banquete divino.
    Todavia se no vosso temor procurardes somente a paz do amor, o gozo do amor
    Então seria melhor para vós que cobrísseis vossa nudez, abandonásseis a ira do amor
    Para entrar num mundo sem estações onde rireis, mas não todos os vossos risos
    E chorareis, mas não todas as vossas lágrimas
    O amor nada dá, se não de si próprio
    E nada recebe, se não de si próprio
    O amor não possui nem se deixa possuir
    Pois o amor basta-se a si mesmo
    Quando um de vós ama, que não diga 'Deus está no meu coração'
    Mas que diga antes 'Eu estou no coração de Deus'
    E não imagineis que possais dirigir o curso do amor pois o amor se vos achar dignos determinará ele próprio vosso curso
    O amor não tem outro desejo se não o de atingir a sua plenitude"

    ResponderExcluir
  3. Ah Ju que lindoooo!!!! Obg minha gêmula!!! te amoo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...